49.3622.1639
49.99917.3055

As notícias mais importantes sobre coronavírus de 10 de setembro

Queda na média móvel de mortes por Covid no Brasil deve ser vista com cautela. Acordo da Bahia com a Rússia prevê a produção de 50 milhões de doses. O governo de São Paulo espera que a vacina Coronavac entre no calendário de vacinação em janeiro.

Hoje é quinta-feira, 10 setembro, e o Brasil tem mais de 4,2 milhões de casos por coronavírus registrados. O número de mortos pela Covid-19 no país passou de 129,5 mil.

A média móvel de novas mortes no Brasil nos últimos 7 dias foi de 692 óbitos; a tendência é calculada em relação aos dados registrados em 14 dias. A média móvel de casos foi de 27.659 por dia, apontando uma variação de -29% em relação aos casos registrados em 14 dias.

A Covid-19 já provocou mortes em 4.293 dos 5.570 municípios do país, mostra o Mapa do Coronavírus – levantamento exclusivo feito pelo G1. São Paulo está no topo do ranking, com mais de 11 mil mortes. Veja a situação da doença na sua cidade.

Em todo o mundo, os três países com mais mortes são: Estados Unidos (quase 191,5 mil), Brasil (128 mil) e Índia (75 mil).

Abaixo, o G1 reúne as principais notícias do dia sobre coronavírus:

Mortes por Covid em queda: é hora de relaxar?
O Brasil registrou na quarta-feira (9) o terceiro dia de queda consecutiva na média móvel de mortes por Covid-19. A notícia é boa, mas, segundo especialistas ouvidos pelo G1, o dado deve ser interpretado com cautela, uma vez que os registros são recentes.

Infectologistas dizem que a tendência é a transmissão continuar, mas num limiar mais baixo. Para eles, não é possível falar em imunidade de rebanho e existe o risco de uma 2ª onda. A população deve evitar aglomeração até o fim da pandemia.

O Brasil registrou na quarta-feira (9) o terceiro dia de queda consecutiva na média móvel de mortes por Covid-19.

O acordo da Bahia com a Rússia prevê a produção de quantas doses de vacina?As notícias mais importantes sobre coronavírus de 10 de setembro
Queda na média móvel de mortes por Covid no Brasil deve ser vista com cautela. Acordo da Bahia com a Rússia prevê a produção de 50 milhões de doses. O governo de São Paulo espera que a vacina Coronavac entre no calendário de vacinação em janeiro.

Hoje é quinta-feira, 10 setembro, e o Brasil tem mais de 4,2 milhões de casos por coronavírus registrados. O número de mortos pela Covid-19 no país passou de 129,5 mil.

A média móvel de novas mortes no Brasil nos últimos 7 dias foi de 692 óbitos; a tendência é calculada em relação aos dados registrados em 14 dias. A média móvel de casos foi de 27.659 por dia, apontando uma variação de -29% em relação aos casos registrados em 14 dias.

A Covid-19 já provocou mortes em 4.293 dos 5.570 municípios do país, mostra o Mapa do Coronavírus – levantamento exclusivo feito pelo G1. São Paulo está no topo do ranking, com mais de 11 mil mortes. Veja a situação da doença na sua cidade.

Em todo o mundo, os três países com mais mortes são: Estados Unidos (quase 191,5 mil), Brasil (128 mil) e Índia (75 mil).

Abaixo, o G1 reúne as principais notícias do dia sobre coronavírus:

Mortes por Covid em queda: é hora de relaxar?
O Brasil registrou na quarta-feira (9) o terceiro dia de queda consecutiva na média móvel de mortes por Covid-19. A notícia é boa, mas, segundo especialistas ouvidos pelo G1, o dado deve ser interpretado com cautela, uma vez que os registros são recentes.

Infectologistas dizem que a tendência é a transmissão continuar, mas num limiar mais baixo. Para eles, não é possível falar em imunidade de rebanho e existe o risco de uma 2ª onda. A população deve evitar aglomeração até o fim da pandemia.

O Brasil registrou na quarta-feira (9) o terceiro dia de queda consecutiva na média móvel de mortes por Covid-19.

O acordo da Bahia com a Rússia prevê a produção de quantas doses de vacina?
O governo da Bahia afirmou que a parceria para testar vacinas da Rússia contra a Covid-19 prevê a produção de 50 milhões de doses.

A previsão é que as doses da Sputnik V comecem a ser entregues em novembro deste ano, desde que haja aprovação por parte dos órgãos reguladores no Brasil.

A Bahia é o segundo estado brasileiro a firmar um acordo com a Rússia para a produção de vacina. O primeiro foi o Paraná. Os testes da parceria devem começar em outubro, mas ainda dependem da Anvisa.

O governo da Bahia afirmou que a parceria para testar vacinas da Rússia contra a Covid-19 prevê a produção de 50 milhões de doses.

A previsão é que as doses da Sputnik V comecem a ser entregues em novembro deste ano, desde que haja aprovação por parte dos órgãos reguladores no Brasil.

A Bahia é o segundo estado brasileiro a firmar um acordo com a Rússia para a produção de vacina. O primeiro foi o Paraná. Os testes da parceria devem começar em outubro, mas ainda dependem da Anvisa.

Vacina russa está em fase de testes — Foto: Jornal Nacional

Quando a vacina chinesa Coronavac pode entrar no calendário nacional de vacinação?
O governo de São Paulo prevê que a vacina chinesa Coronavac esteja no calendário de vacinação nacional no início de janeiro de 2021.

De acordo com o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn, o cronograma dos testes está sendo respeitado, e a expectativa é que os resultados sejam enviados para a Anvisa no final de outubro.

O Instituto Butantan, de São Paulo, tem um acordo de cooperação com o laboratório chinês Sinovac, que produz a vacina, e é um dos 12 centros que vão coordenar os testes da imunização no Brasil.








Data: Quinta-feira, 10 de Setembro de 2020

Fonte: Bem Estar

Fone (49) 3622 1639
Rua Barão do Triunfo, 807 - Centro
São Miguel do Oeste - SC
Depieri © 2012 - Todos os direitos reservados
dblinks